Conselho Municipal do Patrimônio Cultural COMPAT Mariana Minas Gerais
Zelando pela nossa  História

TOMBAMENTOS - 2005 a 2008 

De abril de 2005 a fevereiro de 2008 Mariana procedeu ao tombamento a nível municipal de quatro bens patrimoniais, três inseridos na categoria de estruturas arquitetônico-urbanísticas e  outro na de conjuntos paisagísticos e arqueológicos.

 
ESTAÇÃO FERROVIÁRIA DE MARIANA
SOBRADO "PEDRO ALEIXO"- DISTRITO DE BANDEIRANTES

Tombamento: Dec. Municipal no. 3.485 de 12 de abril de 2005

Livro de Tombo: Inscrição no. 01 - Pg.02

Enviado ao IEPHA em 2005

Responsável Técnico: Patrícia Pereira

 

 A estação da cidade histórica de Mariana foi inaugurada em 1914, quando foi aberto o prolongamento do ramal, de Ouro Preto até essa cidade. Permaneceu como ponta de linha até 1926, quando o ramal foi estendido até Ponte Nova. Pelo menos até 1980 ainda havia movimentação de passageiros que podiam se utilizar dos trens mistos. Depois a estação foi fechada, passou um tempo abandonada, foi reformada e finalmente em 2006 sofreu uma grande reforma para ser a estação final do trem turístico de Ouro Preto a Mariana operado pela FCA a partir de 05/05/2006.

 

Dossiê de Tombamento

 

 


 

SOBRADO NO DISTRITO DE MONSENHOR HORTA

Tombamento: Dec. Municipal no. 3.743 de 20 de março de 2006

Livro de Tombo: Inscrição no. 03 - Pg. 04

Responsável Técnico: Patrícia Pereira

 

Este casarão é importantíssimo por ter sido construído no século XVIII e constituir-se num marco da fundação do povoado pelos portugueses Caetano Pinto de Castro, Pedro Álvares Pereira e Manuel Monteiro Chassim. Em 1836, juntaram-se as Freguesias de São Sebastião e São Caetano em uma só, sob o nome de São Caetano da Vila do Carmo.

Ali viveu os seus últimos anos Salvador Furtado de Mendonça, um dos fundadores de Mariana.

 

 

 

 

 

Tombamento: Dec. Municipal no. 3.680 de 20 de janeiro de 2006

Livro de Tombo: Inscrição no. 02 - Pg. 03

Responsável Técnico: Patrícia Pereira

 

O tombamento deste imóvel justifica-se por sua estrutura do século XVIII, possuindo, portanto, relevância histórica, arquitetônica e cultural, tendo sido a casa onde nasceu o advogado, jornalista, professor e político Pedro Aleixo, que exerceu o cargo de Vice-Presidente da República.

O tombamento se estendeu aos bens inseridos no seu entorno.

 

SÍTIO ARQUEOLÓGICO DO MORRO DE SANTANA E SANTO ANTÔNIO -CONJUNTO PAISAGÍSTICO E ARQUEOLÓGICO

Tombamento: Dec. Municipal nº 4.481 em 28.02.2008

Livro de Tombo: Inscrição no. 04 - Pg. 05

Responsável Ténico: Patrícia Pereira

 

Os Morros de Santo Antônio e Santana em Mariana constituem o maior parque arqueológico de mineração colonial da América Latina. Neles é possível encontrar os vestígios das técnicas mineratórias adotadas pelos primeiros exploradores portugueses, originárias dos antigos processos romanos. Trazidas para as Minas Gerais do século XVIII e aliadas aos métodos usados pelos escravos da nação Mina,  tradicionais mineradores, essa atividade, desenvolvida pouco depois por Wilhelm Ludwig Von Eschwege, deu origem a um interessantíssimo complexo cujas ruínas se estendem por quilômetros mas ainda com características de finalidade bem marcadas: unidades domésticas,  religiosas, trilhas de acesso e divisas, estruturas de mineração, cavernas naturais de canga e fragmentos de utensílios. 

O Complexo Arqueológico de Mariana, um tesouro a céu aberto, compreende o Gogô (Santana) e o Morro de Santo Antônio (Mata-Cavalos).

 

Dossiê de Tombamento

 

 

 

  • w-facebook
  • Twitter Clean
  • w-flickr